Uncategorized

A realidade que esquecemos

José Drummond

“Shower”, de 1999, do realizador chinês Zhang Yang, colheu elogios entre diversos estilos de audiências e recebeu prémios em Toronto, Thessaloniki, Rotterdam e San Sebastian, bem como na China.

O filme começa com um empresário a tomar um duche impessoal com processos mecanizados, mais parecidos com uma lavagem de carro do que com uma rotina de limpeza pessoal. O processo parece muito eficiente em deixar uma pessoa completamente limpa e não oferece nenhuma interacção, em contraste com a casa de banhos simpática, social e tradicional de Pequim que o seu pai dirige.

“Shower” é uma história de pais e filhos que reflecte sobre a preservação dos espaços e dos valores tradicionais, e do seu choque com a criação de maravilhas tecnológicas.

A família parece ser o tema principal, com o relacionamento entre pai e filho e entre irmãos a servir o desenrolar do argumento. Mas torna-se a pouco e pouco perceptível que o objectivo do realizador foi o de provocar um outro misto de reflexões sobre a modernidade e sobre o progresso na China contemporânea.

Liu Daming é um empresário que trabalha em Shenzhen, em plena região já orientada pelo capitalismo, e que retorna a casa da família em Pequim depois de o irmão o ter levado a pensar erroneamente que o seu pai idoso já falecera. Confronta o irmão com problemas de desenvolvimento mental e descobre que as emoções parecem mais fáceis de expressar neste lugar onde a água todos rodeia. O tempo gasto tomando conta de si mesmo é reconhecido como um luxo.

Daming sente-se enganado e fica um pouco impaciente depois de saber que o seu pai se encontra vivo e com saúde, fazendo as suas contas de cabeça ao seu emprego na China moderna, e planeia voltar imediatamente.

Nesse meio tempo, enquanto o irmão o acolhe amorosamente, o pai é distante e frio. A sua separação é o resultado de diferentes valores, experiências de vida diferentes e diferentes gerações.

À medida que a narrativa se desenvolve, Daming percebe aos poucos que o que o separou do pai também o separou de si. Numa rápida mudança na China, o que falta ou o que se perdeu foi o sentido tradicional da relação humana, os laços familiares e a celebração da comunidade.

Ao longo do filme vemos um homem a redescobrir-se e que eventualmente aprende a valorizar a vida através da observação e interacção com o pai e o irmão, momentos perdidos no tempo e apagados da memória.

A maior parte do filme passa-se na zona de banhos e Zhang Yang explora muito bem todos os detalhes do que acontece numa casa destas. Os planos estudados e muito consistentes onde a massagem rítmica, a espuma de barbear, o afiar de uma navalha se tornam em subentendidos elementos de criação de intensidade servem o argumento familiar e o entendimento da modernidade.

Várias pequenas histórias são desenvolvidas em conjunto: Pavarotti com medo do palco, a concorrência entre dois treinadores de críquete, o casamento de um cliente problemático com uma mulher temperamental.

Mas o quotidiano do balneário, que é o centro da comunidade, está ameaçado, juntamente com a vizinhança, pois devido ao seu envelhecimento está prestes a ser demolido para dar lugar a um centro comercial.

A pouco e pouco Daming apercebe-se que o seu pai já não tem a mesma energia e que o seu irmão necessita do seu acompanhamento. E o inevitável anunciado acaba por acontecer com o pai a morrer e o irmão a recusar-se deixar o lugar onde sempre viveu.

“Shower” é um filme encantador que ganha peso através do desenvolvimento hábil dos personagens, mantendo um senso de humor suave misturado com um especial e estimulante carinho pelas fraquezas humanas.

O voltar de Daming a uma família que rejeitou, que deixou para trás, parece uma chamada de atenção para a perda de valores. O modo como Daming descobre como é necessário e amado pela família surge noutra clara alusão a uma necessidade da China moderna em voltar a trás, e recuperar tradições e características únicas que a definem.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s