Uncategorized

Quase sem gaiolas

Inês Santinhos Gonçalves

Macau é zum-zum-zum, lufa-lufa, corre-corre. Toda a gente corre-corre. Aqui não é o povo quem mais ordena, é o relógio. E nós, as formiguinhas, suspiramos de impaciência, acotovelamo-nos, pisamos os calcanhares ao desesperado da frente, porque queremos chegar mais depressa ao destino, não queremos ficar naquele passo lento dos passeios estreitos.

Mas para toda a azáfama há um limite. No Jardim de Camões acalmam-se as nervoseiras, as angústias pós-modernas, as dúvidas urbanas. Se foi a poesia do nome que inspirou a poesia do espaço, não sei. Mas a verdade é que ali, naquele jardim de altos e baixos, de miradouros quase celestiais, vê-se a vida por outro prisma.

Não é por acaso que a população que por ali passeia consiste em crianças e idosos – os que vivem na abençoada ignorância do futuro, e os que descansam dos anos que passaram. Eu, estrangeira de câmara na mão, começo por uns cliques tímidos. Sinto-me invasora dos rituais alheios. Puxo do zoom para não puxar da proximidade.

Um homem observa os ramos ancestrais de uma árvore rugosa. Estuda-os. Eu estudo-o a ele. Faço-me invisível. Ali fico a vê-lo colocar carinhosamente a gaiola, que segurava entre os dedos, num dos galhos mais altos. Sorri. Senta-se então no banco e ali fica, trocando dois dedos de conversa com o amigo do lado, enquanto os dois tomam conta das aves de estimação. No Jardim de Camões é assim, os velhos levam os netos e os pássaros a passear.

Uma, duas, três, quatro. À primeira não se vêem mas são muitas as gaiolas penduradas. Explicaram-me que o ritual serve para que as aves de estimação  possam estar mais próximas do seu habitat natural e para que tenham a oportunidade de conviver com os chilreios umas das outras. Camões sorri com tal perfeição poética.

Não é uniforme a população deste refúgio. Há os desportistas, os jogadores, os músicos. No topo das colinas grupos de homens conversam, descalços, em cima dos muros. Em zona distinta, outros jogam – e ao vislumbre da câmara escondem as peças, tapam as cartadas. As mulheres riem alto, em grupo, à sombra. As crianças, essas, estão por todo o lado e ninguém as chama, ninguém se alarma.

E de repente uma melodia. Três curvas à direita, há banda sonora. Uns cantam, outros tocam. Alguns ensinam, muitos observam. Batem-se palmas, mas não se tiram fotos. Só a turista, lá está.

Um passeio no Jardim de Camões faz milagres. Lembra-nos que a vida é mais que obsessões quotidianas – aquelas que no dia seguinte deixam de ter importância. Da gaiola já não nos safamos, mas ao menos que nos deixemos estar, por momentos, num habitat natural.

 

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s