Crónica

Escrita na Brisa (Yao Feng)

Aranya

1.
A minha solidão não é um animal envelhecido
nem é um jardim florido.

A minha solidão é um jovem
que não viu ninguém da multidão que o rodeia
porque só avistou a montanha e o mar ao longe.

2.
Todos podem contemplar a lua
mas nem todos são cúmplices dela.

3.
Todos os dias bebes um copo de luar
mas por mais vezes um copo de noite.

Todos os dias lavas o cabelo com orvalho da madrugada
mas por mais vezes com a água da torneira.

Dizes que és um poeta escrevendo
de uma ou de outra forma
e o que não escreves faz mais parte do que tens escrito.

4.
Voltei para a casa abandonada por nós
e notei que a luz continua acesa
tal como o passado que recusa ser apagado.

5.
Uma árvore cortada está a chorar
no meu leito.

6.
Quando o primeiro amanhecer do ano do cão chegou farejando a minha face
acordei diferente com a vontade de ladrar.

7.
Na tua mão há um abismo e
o endereço de um fruto.

2018. 01. 18. Aranya

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s